sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

Filmes que vale a pena ver até a cerimónia dos Óscares chegar...

Bem, para vos dizer a verdade, depois de hoje, perdi cerca de 40% da minha vontade de assistir à cerimónia. Vi milhentas coisas que achava que não ia ver hoje. Mas enfim... Já é hábito ficar desiludido com a Academia por isso... Adiante.

Vou-vos deixar aqui a MINHA LISTA daquilo que vos interessa ver ainda dos filmes de 2008... Não me importa que eu cite alguns que não são candidatos a coisa nenhuma mas não faz mal... Se eu digo que são bons... Como é que a outra diz?... Ah! «Quem sabe sabe e o Jorge, sabe!»


FILMES DE 2008 (NAS SALAS DE CINEMA PORTUGUESAS EM 2009) QUE VALEM A PENA VER:

1. Vicky Cristina Barcelona - facilmente no meu top3 de filmes do ano (o meu top10 vem amanhã, okay? :D). Dirigido por Woody Allen e com actrizes da tarimba de ScarJo (Scarlett Johansson), Penelope Cruz, Rebecca Hall e com Javier Bardem, este filme só podia dar certo. Conta a história de duas amigas, Vicky e Cristina, que vão de férias para Barcelona. Aí conhecem o glamoroso pintor Juan Antonio que se acaba de separar da sua mulher. Ele leva as duas para a sua casa de praia e conhece-as melhor (muito melhor!) O que elas não esperavam era pelo aparecimento da ex-mulher, maluca, poderosa e nada moralista Maria Elena que vira tudo de pantanas e complica a história em formas muito interessantes.

Estreou esta semana (portanto hoje, dia 22) e espera-se que fique por pouco tempo nas salas de cinema portuguesas... Conta com uma nomeação para Penelope Cruz na categoria de Melhor Actriz Secundária, com excepcional performance de Rebecca Hall e claro com as caras bonitas Bardem & Johansson que enchem o cartaz.

2. Rachel Getting Married - Uma história fascinante sobre os laços familiares e a capacidade de perdão. Acho que toda a gente sabe o que é a «ovelha negra da família». No caso desta família, é Kym ou Shiva. Ela é o terror. Sai da prisão para vir ao casamento da irmã mais velha (performance maravilhosa de Rosemarie De Witt)e arranja sarilhos com toda a gente. Mas o que esta história nos dá a conhecer é o lado superhumano e supersensível de Kym (Anne Hathaway, nomeada para Óscar de Melhor Actriz - sem dúvida o melhor desempenho do ano!) que se sente verdadeiramente arrependida mas que não consegue obter perdão de ninguém porque todos a olham como se fosse uma bomba prestes a explodir. Além de De Witt e Hathaway, este filme conta ainda com a magnífica Debra Winger e com Bill Irwin. Argumento Original de Jenny Lumet e dirigido por Jonathan Demme, este «Casamento de Rachel» tem tudo para encantar os amantes do cinema. Estreia a 12 de Fevereiro.

3. Happy-Go-Lucky - Conheçam a Poppy. É assim que Happy-Go-Lucky se dá a conhecer logo de início. O filme conta a história de uma trintona, sem filhos, chamada Poppy, que é possivelmente a pessoa mais alegre, festiva, amável e despreocupada à face da Terra. Ela sente-se grata por tudo o que Deus lhe dá e não quer nada mais do que aquilo mesmo. Como ela diz, «I'm happy. I've got a great job, great friends and it gets rough at times, but it's life». Como eu gostava de ser como ela. A performance de uma vida de Sally Hawkins que ganhou tudo o que havia para ganhar (SAG, Globo Ouro, NYSFC, LAFCA...) mas falhou no que mais interessava: nomeação para o Óscar de Melhor Actriz. Ainda assim, esta Poppy é uma jóia de se ver. Mais um tiro certeiro de Mike Leigh que conseguiu, mesmo assim, ser nomeado para Melhor Argumento Original. Estreia a 12 de Fevereiro.

4. The Wrestler - pequeno mas comovente filme que merecia toneladas mais de atenção mas que infelizmente não conseguiu tê-la. Tem dois merecidos nomeados para Óscar - Mickey Rourke como Melhor Actor que teve um dos melhores desempenhos do ano e o retorno da década (há 13/14 anos ele esteve quase fora do mundo cinematográfico) e a sempre sexy e luxuosa Marisa Tomei como Melhor Actriz Secundária pela sua humanização e pelo realismo/generosidade que deu à sua Cassidy/Pam... O filme fala da luta interior de um lutador à beira da reforma (The Ram) mas que vê o seu sonho falar-lhe mais alto. Estreia a 26 de Fevereiro.

5. Milk - depois do rotundo NÃO! que a Academia colocou em Brokeback Mountain para Melhor Filme (Crash, por muito bom que tenha sido e por muito que eu tenha gostado do filme, não merecia levar o Óscar...) estava à espera que este filme passasse muito superficialmente pelo radar dos Óscares e que anos depois viria a ser apreciado como a pequena pedra preciosa que é. Mas não. E rebentou em grande estilo com 8 (!) nomeações para os Óscares da Academia... Incluindo Melhor Filme, Melhor Realizador, Melhor Actor (Penn) e Melhor Actor Secundário (Brolin). Em comparação com Brokeback Mountain a dizer que este filme é 100% mais gay que o predecessor. Mas também é um biopic. Um retrato de uma pessoa famosa falecida. E nós nunca podemos esquecer o fascínio que a AMPAS tem nesses. Enfim... Fantástico. O filme conta a história de Harvey Milk, um político célebre que foi morto ao subir ao pódio depois de ser eleito no estado da Califórnia, em Los Angeles. Com performances geniais de James Franco, Emile Hirsch, Sean Penn e Josh Brolin, Milk é muito interessante - e vai ser o filme que eu vou pedir aos deuses para limpar a cerimónia. Embora este ano, pelos vistos, a AMPAS está virada para o hinduísmo... Estreia a 29 de Janeiro.


A partir daqui vai ser mais fácil porque vou escrever pouco... (hehe)


6. Slumdog Millionaire - dizer que o filme é indiano é pouco. Dizer que a crítica foi um pouco exagerada é pouco. Dizer que o filme é o «elo mais fraco» nos Óscares, com 10 nomeações, também é pouco. Esta é a história de Slumdog Millionaire (em Portugal, Quem quer ser Bilionário? - ridícula tradução!) que conta a história de Jamal Malik, concorrente no popular concurso e que ao longo do concurso vai contando pedaços da sua vida, desde a sua infância. Ao longo de todos os pedaços, só há um elo comum: a fabulosa Latika, o seu amor eterno. O filme termina ao som de «Jai Ho», uma canção com marcada musicalidade indiana e oriental... A melhor forma de definir o filme é esta: «Jamal Malik ganhou o Quem Quer Ser Milionário porque... A-Sabe; B-Teve sorte; C- É perspicaz; D- É o destino» E claro, a resposta é... D. Estreia nos nossos cinemas a 5 de Fevereiro. Com Dev Patel e Freida Pinto. Dirigido por Danny Boyle. Nomeado para Filme, Director, Banda Sonora, Canção (são duas as nomeadas nesta categoria) entre outros.

7. Doubt - dos mais badalados do ano, Doubt tem a seu favor os actores. Viola Davis, Meryl Streep, Amy Adams e Philip Seymour Hoffmann são «the best of the best». E foram de facto magníficos. Não sei se vou gostar assim tanto de Doubt - é adaptada ao cinema pelo escritor original da peça, John Patrick Shanley - peça essa que ganhou TODOS os prémios que podia ter ganho - mas que acho que no ecrã não resulta tão bem. Ainda assim, acho que pelo que sei da peça e pelo que sei dos actores vale a pena dar uma olhadela ao filme. Estreia a 5 de Fevereiro nas salas portuguesas.

8. Revolutionary Road - era o filme mais aguardado do ano. Reformação do «dream team» Kate Winslet & Di Caprio (da última vez juntos, choveram estatuetas!) com o «dear hubby» da Katey, Sam Mendes, também antigo vencedor (American Beauty). Tinha tudo para dar certo. Só que o filme acumula uma data de erros e algumas falhas de cálculo. A principal, claro, é esta: Sam Mendes já ganhara uma vez com esta mesma fórmula. Casal stressado na casa dos 30 com uma vida que não sonhava e que descarrega um no outro e começa a fazer coisas excêntricas. O usual. Kate Winslet e Di Caprio têm boas performances mas o que se salva mesmo do filme é Michael Shannon, o irredutível maluquinho do filme. :D E foi nomeado para o Óscar de Melhor Actor Secundário. Bom. Melhor mesmo é verem o filme. Prometo que não vos vai desapontar. Banda sonora espectacular de Thomas Newman. Estreia a 29 de Janeiro.

9. The Reader - não esperava nada de particularmente especial deste filme à excepção de (mais) uma boa performance de Kate Winslet. Mas a verdade é que chegou a hoje e à hora das nomeações e eis que The Reader sacou nomeação para Melhor Filme, Melhor Realizador (Stephen Daldry - The Hours, Billy Elliot - é o seu 3º filme e a 3ª nomeação), Melhor Actriz (Kate Winslet - quando toda a gente pensava que ela ia ser nomeada por este papel mas como Secundária) e ainda Argumento Adaptado e Guarda-Roupa. Ok. Talvez só tenha sido nomeado porque, bem, os Weinsteins estão por trás do filme e porque Sidney Pollack e Anthony Minghella (ambos produtores do filme) morreram (e será uma forma de os homenagearem ainda mais). Seja como seja, o filme, além de Winslet, têm Ralph Fiennes e David Kross e uma história adaptada do romance de David Roth que é simplesmente brilhante. Fala de Hanna Schmitz que cometeu severos crimes no passado e é julgada no presente por esses mesmos crimes. Só que nós vemos toda a cena pelos olhos do seu ex-amante (papel de David Kross) o que torna ainda mais especial o facto de Kate Winslet ter conseguido fazer-nos sentir pena daquela assassina que é Hanna Schmitz. Estreia a 19 de Fevereiro.

10. Frost/Nixon - Não percebo o grande propósito de fazer este filme (toda a gente ainda se lembra desta incrível entrevista e mesmo que não se lembre podem procurar as cassetes dela) mas Ron Howard (argh!) decidiu fazer o seu 3º filme nomeado para Óscar. E tentar coleccionar a sua 3ª estatueta (argh!) A história fala da secular entrevista de David Frost (incrível Michael Sheen) a Richard Nixon (Frank Langella a merecer aplausos pelo «seu» Nixon) e parece ser muito fiel ao original. Estreou hoje nos cinemas.


Menções Honrosas: Last Chance Harvey, The Visitor, Gran Torino, Che-The Argentine

NÃO VEM NA LISTA «THE CURIOUS CASE OF BENJAMIN BUTTON» - ver Filme da Semana...

4 comentários:

Sara Almeida Silva disse...

Pouca vergonha esta! Junta tudo junta ahah fica a primeira pagina do blog so com isso ai que perdiçao credo cruzes..

Coitado do S.Martinho de Dume!

Sao 5 - 15, tens ate as 6 pra isso td ahahha ;)

JorgeRodrigues disse...

Pronto, talvez das 6h passe para 6h30... é quase o mesmo xD

Sara Almeida Silva disse...

6.30??!?!? Incompreensível!
Irresponsabilidade esta!

:o

Joana Vaz disse...

Crash não mereceu o Óscar?!

Mereceu sim!
Foi muito bem entregue!
Nesse ano a academia teve coragem para atribuir o Óscar a um filme não tão afamado (como seu rival e controverso “Segredo de brokeback mountain”), simples, mas tão MARCANTE!

Momentos, escolhas, acontecimentos…
Como podemos mudar significativamente a nossa vida e a de outros em apenas segundos…

“O homem a caminhar a chuva na rua depois da meia-noite. O som de um violino que nos chega através da parede do nosso apartamento. O sem-abrigo a pedir moedas nos degraus de uma igreja. A velha sentada ao nosso lado no autocarro. Desligados da nossa vida, mas unidos a nós num determinado momento. Todas as escolhas e acontecimentos das suas vidas e escolhas e acontecimentos da nossa levaram-nos a estar no mesmo local à mesma hora.” Carl Jang

Crash é brilhante...tinha de o defender;)

Joana Vaz