terça-feira, 10 de março de 2009

A criação do Naup (Núcleo de Arqueologia da Universidade do Porto)

Bem, como se devem ter apercebido, já de há uns tempos para cá que não me dedico claramente a debater questões de arqueologia. Sendo que as ultimas vezes que isso sucedeu, foram apenas ligeiras referências aos temas, não me prolongando muito nas minhas abordagens.
Bem, a única explicação para tal facto, apenas o meu “cansaço”.

Hoje, vejo-me obrigada a retomar isso, o motivo, a criação do Naup.

Sim, de facto, verificava-se alguma necessidade de criar um organismo que fizesse uma ligação entre os alunos de arqueologia e o resto do mundo.. tendo em conta que a arqueologia é um mundo ligeiramente diferente de cursos ligados a línguas e coisas que tal..

Portanto sim, considero o projecto de utilidade para todos.
Antes de me referir concretamente ao que se passará amanha e a moção da lista apresentada, devo antes de mais esclarecer (não vá alguém alegar o “falas falas mas não fazes nada”) o motivo pelo qual não me envolveria assim de repente em tal projecto.. considero que a fazer-se, não seria linear, e portanto, seria necessário empreender muito esforço, dedicação e responsabilidade.. é necessário gostar-se muito, ter-se noção das responsabilidades e das implicações que este tipo de organizações tem, no imediato e no futuro.
Não me parece que o âmbito destas organizações se fique por uma ponte entre alunos de arqueologia – associações de estudantes – professores e directores. Se criamos e queremos a todo o custo investir na arqueologia, o âmbito destas organizações tem que se alargar, perceber o papel da arqueologia numa sociedade; nos municípios e nas empresas.
Mas exige muita coisa, e tenho dúvidas se o esforço valeria a pena. (discurso pessimista, mas pronto, é o meu).

Ora, há coisa de 15 dias, foi-nos comunicada a criação do dito núcleo e divulgada a sua pagina na internet. Amanha, pelos vistos, há eleições.
Suponho que a divulgação e o conhecimento de tal coisa passou ao lado de muita gente. De qualquer das formas, não é por desconhecimento que as eleições não se vão realizar.
Quem não estava envolvido no projecto inicial, e se quisesse candidatar, adios’ porque não me parece que tenha havido tempo para quem quer que fosse organizar uma candidatura (para alem dos srs que se dedicaram à criação do dito cujo).

Bem, enfim.. adiante disso.. apresentação de uma lista às eleições .. a lista P..
Divulgação de tal coisa, vi hoje depois de receber um e-mail dinâmico a dizer que ia haver eleições. O programa, bem.. assusta-me ligeiramente..

Antes de pensarmos em passear e coisas que tal, eu diria que era necessário pensar em aplicar melhor Bolonha ao curso. Parece-me que isso falhou. Cada avaliação para seu lado.. não sei, parece-me que haveria outras prioridades..
Claro que as visitas são importantes para a formação académica.. se há departamentos que até conseguem dinheiro para autocarros, o nosso já não, e temos que lidar com isso, num panorama de crise global..
Preferencialmente, acho que a prioridade passaria por adaptar melhor Bolonha. Perceber o que está mal, o que falta e tentar melhorar as coisas que possam beneficiar também as gerações vindouras para este curso..

Festas para socialização? Não me parece que seja preciso um núcleo de arqueologia para as organizar!
Mesas redondas e conferências? Já não as há?

Escavações faltam sim, mas a integrar, deveriam ser integradas como componente lectiva. Quem raio são os arqueólogos que não são avaliados pela forma como escavam? Que Arqueologia do Futuro…

E poderíamos andar nisto mais não sei quanto tempo.. talvez volte a isto.. mas agora, o cansaço regressou..

*

6 comentários:

millady disse...

muito bem!!!

amanha faço um comentario decente, a este assunto que me parece ter pano para mangas...

vou entrar em periodo e reflexao!!

millady disse...

eu prometi que comentava, mas isto já me anda a dar volta ao cerebro lol

vamos criar um núcleo, fixe!!

primeira iniciativa, vamos fazer uma festa yuuuuuuupppppppppiiiiii

e reajustamento do bolonha??
arqueologia talvez seja o curso que mais sofre por não haver uma componete prática e ja agora no lugar de arranjar escavaçoes, porque nao fazem nada para que estas sejam aceites como elemento de avaliação...

sim, parece-me melhor uma festa e tal... sempre podemos beber para esquecer...


acho que tambem começo a cansar-me

:S

vanessa disse...

olha sabes que te digo FUCK THE POLICE ahahaahah

Anónimo disse...

façam voces alguma coisa pla arqueologia n flup! têm medo??! xD

mafalda disse...

eu, de facto, fico "horrorizada" o ler esta critica ao NAUP, se é que lhe podemos chamar critica.. eu diria ataque!

em primeiro lugar gostaria de chamar a atenção para a coragem e a determinação que tiveram alguns dos nossos colegas de curso, do 1º ano, e é bom que se diga que são do 1º ano, pois os criticos são todos de anos superiores, pelos vistos a criação do nucleo caiu-lhes mal, vai-se la saber la porque nao é?!
enfim, como estava eu a dizer, os criadores do nucleo, de facto, tiveram uma grande ideia, com a qual concordei desde inicio, e estou cada vez mais convencida de que é um projecto que pode e ja está a dar muito certo.
é verdade que as festas nao sao uma prioridade, mas tambem quem é que disse que eram? ninguem! as festas sao sim para , mais que tudo, angariar fundos para o nucleo. nada mais do que isso.

quanto à adaptaçao do curso a bolonha... nao serão os próprios alunos e professores que se devem adaptar a bolonha?! na minha opinião sim. visto que nao sei o que o nucleo poderia mais fazer.

posso dizer que graças ao nucleo ja aprendi e fui a lugares que provavelmente nao iria de outra forma. e para aqueles que muito falam mas nada dizem.. tornem-se sócios.. apareçam nas assembleias.. deem ideias ja que tem montanhas delas. tudo será bem vindo.

para finlizar gstava que tambem soubessem que o nosso nucleo está a crescer cada vez mais e ja nao são so os alunos da faculdade de letras que sabem da sua existencia.
com algum apoio pode ir muito mais longe.

ate qualquer dia.

Sara Almeida Silva disse...

Cara Mafalda..
Depreendo do comentário que esteve envolvida na criação do Núcleo.. estranho apenas que o comentário surja agora.. Mas não será por isso que não darei uma resposta.

Depois de reler o dito texto, Março já lá vai à muito, devo portanto fazer algumas considerações.

Chamar ao que escrevi um ataque, parece-me puramente exagerado.. foi apenas uma reacção à surpresa e rapidez de todo o processo.
Claramente, fui crítica nalguns pontos do programa da Lista P, mas não me pode acusar de não ter dado sugestões.
O facto de não participar activamente nas vossas actividades, está explicado nos primeiros parágrafos, não vejo necessário repeti-lo.

Essa da criação ter caído mal, e saber-se lá porquê.. é uma dedução que me ultrapassa.. Se a quiser esclarecer melhor, agradecia..
Não deve ter lido a parte do achar que organismos assim são necessários.. mas..

Eu limitei-me a comentar alguns dos pontos do programa. As festas, eram um deles, e, nenhum estava acompanhado pelo grau de importância que lhe estava associado.

Quanto à adaptação a Bolonha, eu tenho sido muito crítica ao que se passa na FLUP. O núcleo poderia funcionar como plataforma de diálogo. Acha que o curso está a funcionar bem? É preciso que alguém, efectivamente representativo, faça chegar aos professores "dicas e sugestões". E isto, não me vai afectar a mim, afecta a quem vier pra lá agora, e pra quem lá ficar.

E fico contente que o núcleo esteje a crescer.
O vosso fórum, que faço questão de visitar frequentemente tb é uma plataforma de diálogo e troca de ideias. Ideias essas, que podem ser manifestadas de forma muito subtil, sem ser em assembleias.

Espero ter esclarecido.. Votos que o núcleo continue a crescer e a responder aos vossos objectivos.