quarta-feira, 31 de março de 2010

Cinema 2011: Parte 2

E como não funciono a todo o vapor o tempo todo, demorei-me um pouco mais nesta parte... Espero que valha a pena. Aqui vai então a segunda parte dos filmes de 2010/2011. Nesta parte contemplo os filmes que estiveram em exposição nos Festivais de Berlim e de Sundance, filmes de prestígio fora de cogitações para Óscar (muito provavelmente) e filmes tipicamente Oscarizantes (pronto, acabei de inventar uma palavra). Claro que aqui nos filmes Oscarizantes não vão constar alguns títulos, porque esses vão estar no meu top 25. Mas vamos em frente. Decidi separar individualmente cada um dos filmes, tava a tornar-se difícil discerni-los em categorias. Relembrar ainda que não tenho aqui TODOS os filmes deste ano. Há alguns títulos que me escaparam e há, como é óbvio, sempre filmes que eu não estava a contar que tivessem tanto apoio como o que possivelmente virão a ter na corrida a Óscares.


127 Hours

Danny Boyle, que nem há dois anos limpou a cerimónia dos Óscares com Slumdog Millionaire, ganhando 8 das 10 nomeações que possuía, está de volta com 127 Hours, que tem como protagonistas Amber Tamblyn e James Franco. O filme fala da história de Aron Ralston e da sua magnífica escalada no Utah em 2003. Pode lutar por prémios? Muito provavelmente não, no entanto se a interpretação de Franco for boa (ele que ainda por cima tem mais dois filmes interessantes a sair este ano) pode entrar na luta por Melhor Actor. Se o filme for muito bom podemos de facto ver várias nomeações a aparecer. Uma que não me chocaria seria sem dúvida a de Dod Mantle pela fotografia, ele que ganhou o Óscar em 2008 e o ano passado foi roubado de uma nomeação por Antichrist.


3 Backyards

Saiu de Sundance com o prémio de Melhor Realizador e conta no elenco do filme com Edie Falco e Elias Koteas. Não deverá estar na luta por prémios mas é de facto um filme muito interessante a ver. O filme basicamente relata a forma como rapidamente os segredos de pessoas aparentemente normais vêem à baila e mudam tudo.


Ágora

Tinha que o mencionar aqui porque vai a competição nos Estados Unidos só este ano. Nós fomos priveligiados por vê-lo aqui já em 2009 mas só poderemos saber qual a sua potência para ganhar prémios depois de estrear lá. Tem tido críticas muito divisivas por isso vai-se lá saber. Mas o que é certo é que se aqueles cenários e aquele guarda-roupa não forem premiados, é uma injustiça. Para quem não viu o filme, é do realizador Alejandro Amenabar e é protagonizado por Rachel Weisz.




Alice in Wonderland

Há muito tempo que já estreou por todo o mundo, o novo filme de Tim Burton é interessante, adapta de forma engraçada um livro recente baseado na história muito antiga de Lewis Carroll e tem efeitos porreiritos, mas tirando os efeitos visuais ou a direcção artística e guarda-roupa, não vejo por onde mais lhe pegar. Aconselho a ver toda a gente, mas não é lá grande filme.


All Good Things

Do realizador Andrew Jarecki e protagonizado por Ryan Gosling e Kirsten Dunst, esta é uma história de amor que se passa numa família de elite nova-iorquina nos anos 80. Do elenco constam ainda Jeffrey Dean Morgan, Kristen Wiig e Frank Langella. Aparentemente, diz-se por aí que tem bastante potencial, mais não seja para uma nomeação para um dos actores secundários. Ou então para potenciar a nomeação de Gosling por Blue Valentine.


Animal Kingdom

Nunca se desconta um filme com Guy Pearce. Animal Kingdom, de David Michod, ganhou em Sundance o Grand Jury Prize - World Cinema e já foi comprado pela Sony Pictures Classics, o que denota desde logo grande potencial para prémios, mais não seja os Indie Spirits.


Barney’s Version

Este pode ir para qualquer um dos lados: pode ser um grande flop ou uma autêntica surpresa. O elenco tem Giamatti, Hoffman, Pike, Driver, Speedman e Lefevre. A realização está por conta de Richard J. Lewis, o produtor de C.S.I. e o argumento, a história da vida do politicamente incorrecto Barney Panofsky, é de Michael Konyves. A ver no que dá.


Betty Anne Waters

Este filme tresanda a Óscar. Hilary Swank no papel de mãe solteira, que desistiu da escola e que está a trabalhar para poder pagar o seu curso de Direito, que é obrigada a salvar o seu irmão (Sam Rockwell) que foi injustamente condenado à morte? Erin Brokovich, anyone? Bem, a não ser que isto seja outro Amelia, esta é garantidinha a terceira nomeação de Hilary Swank. Juliette Lewis, Melissa Leo, Peter Gallagher e Minnie Driver também participam no filme. O realizador do filme é Terry Goldwyn.


Blue Valentine

Este filme recebeu críticas brilhantes em Sundance e pôs Ryan Gosling e Michelle Williams num pedestal, no que à luta por nomeações para Melhor Actor e Actriz diz respeito. Os elogios às interpretações são tantos que uma pessoa até fica atordoada. A compra do filme pela Weinstein Co. manifestamente diz-nos que vão dar trabalho aos outros competidores pelas vagas. Uma coisa é certa, parece mesmo que esta bela história de um casal, que é contada a dois passos, inicialmente quando se apaixonam e mais tarde, quando o amor acaba (o filme tirou um interregno de alguns anos para permitir que os actores envelhecessem para dar realismo à história), realizada por Derek Cianfrance, vai ser dos destaques do ano.


Brighton Rock

Realizado por Rowan Joffe, este filme, que já teve Carey Mulligan inserida no projecto mas que depois desistiu para poder fazer Wall Street 2, é a adaptação de um romance de 1939 de Graham Greene e conta com John Hurt, Helen Mirren, Sam Riley e a substituta de Mulligan, Andrea Risenborough, nos principais papéis. É um dos quatro filmes que podem valer a Helen Mirren a sua quarta nomeação para Óscar.


Burlesque

Que vai ser isto, pergunto eu: um musical relevante ou um flop irrelevante? Christina Aguilera, Cher, Kristen Bell e Stanley Tucci são as estrelas de Burlesque, realizado por Steve Antin. Como ainda está muita coisa no segredo dos Deuses, vou listá-lo como potencial caçador de prémios, mas quanto a mim parece-me inevitavelmente mais um flop na categoria musical.


Casino Jack

Este está aqui na lista muito à custa da interpretação do seu actor principal, Kevin Spacey, de quem se dizem muito boas coisas. Realizado por Hickenlooper, conta a história de Jack Abramoff. Deve fazer a sua estreia em Cannes.




Chlöe

Atom Goyan consegue juntar, neste thriller, Julianne Moore, Liam Neeson e Amanda Seyfried. É preciso mais alguma razão para querer assistir? Já esteve em dois festivais este ano.


Cyrus

Rodou em Sundance e obteve boas críticas, em particular para as interpretações de Marisa Tomei e Catherine Keener. Além delas, o elenco conta com John C. Reilly que é o protagonista e Jonah Hill que interpreta a personagem que dá o nome ao filme, entre outros. Realizado pelos irmãos Dupass, esta comédia conta a história de um divorciado que, tendo desistido de procurar o amor, descobre a mulher da sua vida, só para descobrir que esta já tem um homem na sua vida - o seu filho, Cyrus.


Due Date

Após o sucesso de The Hangover, Todd Philips junta Jamie Foxx, Robert Downey Jr. e Michelle Monaghan ao brilhante Zack Galifianakis na sua nova comédia, Due Date, que conta a história da viagem de um pai que parte em viagem pelo país na esperança de chegar a casa antes do seu filho nascer.




Eat, Pray, Love

Este filme resume-se a uma única coisa: Julia Roberts. Se isto for para submissão a Óscar, ela (e possivelmente o argumento) são as grandes possibilidades deste filme. E ainda por cima estamos a falar de Julia Roberts alegre, de sorriso contagiante, a viajar pelo mundo todo e a ensinar-nos a comer, a aproveitar, a amar. E no elenco temos ainda Viola Davis, James Franco, Richard Jenkins e Javier Bardem. Realizado por Ryan Murphy, criador de Glee e de Nip/Tuck.


Fair Game

Thriler político de acção com Naomi Watts e Sean Penn, parece-me que vai ser um dos grandes candidatos a Óscar (pelo menos as interpretações dos actores vão ser tidas em conta). Conta a história de Valerie Plame. É realizado por Doug Liman.


Fish Tank

Protagonizado por Michael Fassbender e por Katie Jarvis e realizado e escrito por Andrea Arnold, conta a história mil vezes ouvida e repetida do duro crescimento de um adolescente. É um filme de 2009 mas que só chega aos cinemas mundiais este ano, já ganhou o BAFTA para Melhor Filme Britânico do ano (ganhando a filmes como In The Loop, An Education, Nowhere Boy e Moon!) e espera-se mais boas críticas para o filme.


Get Low

Esteve em Toronto, onde ganhou grande "buzz", em particular para a interpretação de Robert DuVall, de quem se dizia que era o grande favorito para a corrida deste ano, e de Bill Murray, que poderia ter grandes hipóteses como actor secundário. Além destes, Lucas Black e a grande Sissy Spacek compõem o elenco principal deste filme realizado por Aaron Schneider. Esteve para ser lançado ainda o ano passado mas a Sony Pictures Classics não quis arriscar, uma vez que já Jeff Bridges ia arrancando a todo o vapor.


Greenberg

Este filme de Noah Baumbach pode ser um dos candidatos para Argumento Original mas mais que isso, não me parece. Do elenco constam Jennifer Jason Leigh, Rhys Ifans, Brie Larson e os protagonistas Ben Stiller e Greta Gerwig, de quem se dizem coisas interessantes. Com uma estreia bem cedo no ano (já estreou nos Estados Unidos), será que vão aguentar até Janeiro?


How Do You Know?

Filme realizado por James L. Brooks, que vai de vez em quando acertando com os Óscares (Tearms of Endearment, As Good as it Gets) e de vez em quando produzindo cada flop (Spanglish), conta com Reese Witherspoon como protagonista, acompanhada por Paul Rudd, Owen Wilson e (possivelmente, ainda não confirmado) Jack Nicholson. A pergunta que se impõe é: vamos ter mais do primeiro... ou do segundo?


Howl

A história do poema proibido de Allen Ginsberg chegou também a Sundance, onde críticas muito positivas foram ouvidas acerca da performance de James Franco. Com outros nomes conhecidos como Jon Hamm, Jeff Daniels, Alessandro Nivola, Mary Louise Parker e David Strathairn, este filme promete.




I Am Love

Principal (talvez único) motivo de interesse deste filme: Tilda Swinton. Desta feita e depois do enorme roubo que foi não ter GANHO o Óscar por Julia o ano passado, ela representa a matriarca de uma nobre família italiana que decide explorar a sua sexualidade e que se apaixona perdidamente pelo homem errado.


I’m With Cancer

Um retrato fascinante e diferente do habitual sobre o cancro, baseado num livro autobiográfico que tem vendido muitas cópias em todo o globo, conta a história de um rapaz de 25 anos que descobre que tem a doença. Anna Kendrick, Joseph Gordon-Levitt, Bryce Dallas Howard e Seth Rogen são os actores principais desta história, distribuída pela Summit Entertainment.


Jane Eyre

Mais provável sair em 2011 do que ainda este ano, Mia Wasikowska (de Alice in Wonderland) protagoniza este filme (que inclui também Judi Dench, Sally Hawkins, Michael Fassbender e Jamie Bell) que é uma adaptação do romance de Charlotte Brontë. Realização de Cary Fukunaga (Sin Nombre).


Knockout

Steven Soderbergh, que quer voltar aos tempos áureos de Traffic e Erin Brokovich (The Informant! foi excelente, mas não foi de encontro aos gostos da Academia), junta-se agora a Dennis Quaid, Michael Douglas, Michael Fassbender, Bill Paxon, Ewan McGregor, Channing Tatum e a Gina Carano, a sua protagonista, no seu novo filme Knockout, que provavelmente só chegará até nós em 2011 (no IMDb diz que é para 2011 mas ele próprio deu uma entrevista há dias que dizia estar a apressar a produção porque tem Contagion para sair em 2011). A premissa do filme é bastante simplista, trata do relato de uma agente secreta do Exército que é atraiçoada durante uma missão e que portanto busca vingança.


Last Night

Com Sam Worthington, Eva Mendes e Keira Knightley, Massy Tadjedin conta a história de um casal cuja relação está a deteriorar-se e que é tentado numa altura em que ambos se encontram separados, porque o marido parte numa viagem de negócios com uma colega por quem está atraído. Entretanto, a sua mulher também encontra um namorado do passado. Parece interessante. Será pelo menos engraçado ver se Worthington se safa num género em que ele não está à vontade (ele que só se tem visto em filmes de acção).


Leaves of Grass

Edward Norton e Lucy DeVito são os protagonistas desta comédia de acção que era originalmente para estrear em 2009. Dizia-se que a interpretação de Norton era suficiente boa para ser tida em consideração para a corrida aos Óscares e portanto decidiu-se adiar o filme para este novo ano, mas entretanto a coisa correu mal e todo o buzz que tinha esgotou-se. De qualquer forma, o filme, de Tim Blake Nelson, conta a história de um professor universitário que volta a casa, a Oklahoma, e que se junta ao seu irmão gémeo para derrotar um magnata da droga local.


Let Me In

Remake do estupendo filme sueco de 2008, Let The Right One In. Thomas Alfredson foi quem realizou a versão sueca. Matt Reeves é o seu homónimo americano. Chlöe Moretz e Kodi Smith-McPhee foram os escolhidos para interpretar os protagonistas. Sinceramente, com um filme saído há dois anos tão excelente, gostava de entender a necessidade deste remake.


Love Ranch

Adiado de 2009, este filme de Taylor Hackford, marido da protagonista (e principal motivo de interesse do filme) Helen Mirren, fala de um casal que instituiu o primeiro bordel legalizado do estado de Nevada. Joe Pesci é o outro membro do casal. Parece um projecto interessante, com grandes possibilidades - se o produto final for bom. Taylor Hackford poderá estar de volta ao Kodak depois de Ray?


Meek’s Cuttoff

De Kelly Reichardt, com Paul Dano, Michelle Williams, Shirley Henderson, Zoe Kazan, Will Patton e Bruce Greenwood, o filme conta a história de três famílias que contratam Stephen Meek, um montanhês local, para que ele os guie através das Cascade Mountain no Oregon Trail, corria o ano de 1845. Obviamente que eles se perdem e por isso atravessam uma longa batalha contra a fome, a sede, o frio e contra eles próprios para sobreviver.


Morning Glory

Realizada por Roger Michell e protagonizada por Jeff Goldblum, Patrick Wilson, Harrison Ford, Diane Keaton e Rachel McAdams, esta comédia sobre um programa matinal que está com problemas em se manter no ar, pode ter grande potencial para Óscar mas também pode não se aguentar, até porque estreia muito cedo (Julho) no ano. Vai ter que ser de facto muito bom para chegar até Janeiro com os seus poderes e virtudes intactas.


Mother and Child

Annette Bening, Kerry Washington e Naomi Watts são as três protagonistas desta história original de Rodrigo García que gerou aplausos em Sundance e em Toronto. Tão boas críticas foram que Bening e Watts podem ter boas hipóteses de serem nomeadas pelos seus papéis.




My Own Love Song

Originalmente marcado para estrear em 2009, este filme que conta com Forrest Whittaker, Nick Nolte e Renée Zellweger nos principais papéis foi adiado para este ano. Pelo que se tem visto e dito sobre o filme, é preciso ter cuidado com Zellweger na corrida este ano. Tem todo o ar de ser uma interpretação perfeita para Óscar. Mãe que abandona o filho enquanto jovem que depois tem acidente e fica em cadeira de rodas (e perde a alegria de viver, apesar de cantar maravilhosamente) e que depois parte numa viagem com um desconhecido que tem problemas mentais para ir procurar o filho? Tudo a ver com o que os Óscares querem!


Never Let Me Go

Protagonizado por Carey Mulligan, Andrew Garfield e Keira Knightley e ainda com Andrea Riseborough, Sally Hawkins e Charlotte Rampling no elenco, este novo filme de Mark Romanek promete. É um drama com muito suspense adaptado por Alex Garland e baseado no romance de Ishiguro, cujo enredo anda à volta de um grupo de três amigos que cresceram juntos e que descobrem segredos do seu passado que vão influenciar o seu futuro. O filme tem imenso potencial e é capaz mesmo de ter um grande número de nomeações, a mais gritante das quais a de Carey Mulligan para Melhor Actriz, que aparece em tudo o que se tem ouvido falar sobre o filme.


Nowhere Boy

Sam Taylor Wood decide contar, em Nowhere Boy, a história da infância de um dos maiores ícones mundiais, o lendário músico John Lennon. Kristin Scott-Thomas, Aaron Johnson, Anne-Marie Duff e David Morrisey fazem parte do elenco deste muito bom filme (rezam as críticas) que foi nomeado para quatro BAFTAs e que vai ser distribuído nos Estados Unidos pela Weinstein Co.


Paul

Depois de realizar Superbad e Adventureland, Greg Mottola pega no argumento escrito pela magnífica parceria Simon Pegg - Nick Frost e vai realizar Paul, a história de dois nerds de BD que viajam para os Estados Unidos e encontram um extraterrestre na Área 51. Seth Rogen, Jane Lynch, Kristin Wiig, Jason Bateman, Bill Heder e Jeffrey Tambor compõem o elenco que se junta aos dois protagonistas, os acima-mencionados Frost e Pegg. Querem melhor que a bela escola do humor britânico misturada com o pragmatismo da escola do humor americano? Veremos o resultado.





Please Give

Estreou em Sundance com críticas simpáticas, tem um elenco interessante (Rebecca Hall, Catherine Keener, Oliver Platt, Amanda Peet), parece um daqueles filmes independentes engraçadotes, uma típica comédia-drama "feel-good", mas não deve ir muito além disso. Não tem potencial para andar à caça de prémios, à excepção talvez dos Indie Spirits. Realizado por Nicole Holofcener, fala da vida rotineira de uma família e em particular da mulher dessa família (Keener) que se encontra a passar por uma crise existencial de como ser uma boa pessoa neste mundo em que a pobreza, a solidão e a depressão estão sempre a bater-nos à porta. Este filme parece, sobretudo, ser uma introspecção bastante engraçada aos problemas que nós debatemos na nossa cabeça todos os dias.


Rabbit Hole

Este é o novo filme de John Cameron Mitchell. Conta com Nicole Kidman, Aaron Eckhart e Dianne Wiest nos principais papéis (particularmente Kidman parece ser uma das grandes favoritas ao Óscar, com este papel) e é baseado numa peça da Broadway que ganhou diversos prémios. Fala de um casal que tenta voltar ao normal depois de lhes ter morrido um filho. Vai ter de deixar uma impressão bem funda nas mentes das pessoas para lhe ser dada atenção quando chegar à altura de votar.





Robin Hood

Para falar de Robin Hood basta dizer: Ridley Scott e Russell Crowe. Bem, deixem-me juntar: Cate Blanchett. E mais uma coisa: é o filme que vai abrir Cannes 2010. É preciso dizer mais? Toda a gente conhece a história. Tem é todo o ar de ser a "sequela" de Gladiator. Para bem de todo o mundo, espero que não. Será candidato aos Óscares? É um projecto bastante alternativo e como tal vamos ter que esperar para ver o que é o que filme vai realmente ser.





Salt

O show de Angelina Jolie? Este thriller de acção de Phillip Noyce foi escrito para Tom Cruise protagonizar mas modificado para que Jolie o pudesse interpretar, depois de Cruise ter desistido para fazer Knight and Day. O filme conta a história da super-espiã e agente da CIA Evelyn Salt (Jolie) que está a monte depois de ter sido acusada de múltiplos crimes que não cometeu. Pode ser um candidato a Óscares? Não creio, apesar de nos prémios técnicos ter algumas possibilidades (fotografia, banda sonora, edição e mistura de som, entre outros).


Secretariat

Ainda se lembram de 2003 e de Seabiscuit ter sido nomeado para o Óscar de Melhor Filme (7 nomeações no total)? Pois bem, parece que as histórias de cavalos de corrida voltam a estar na moda. E esta história é ainda mais famosa - e aparentemente mais enternecedora - que a de Seabiscuit. É a história do fabuloso cavalo Secretariat, que pode dar nomeações para John Malkovich e Diane Lane, os protagonistas da história. Principal desvantagem: o filme é da Walt Disney, por isso nunca se sabe qual vai ser o resultado final.


Selma

Depois de Precious, eis que Lee Daniels está de volta, uma vez mais com Lenny Kravitz mas com Hugh Jackman e Robert De Niro a dar peso ao elenco, com este filme, Selma. Selma é o nome da cidade no Alabama onde a segregação racial atingiu o seu pior estado e foi por causa dos actos de violência que aí se passaram que o presidente de então, Lyndon Johnson, assinou o Civil Rights Act. Começa a filmar em Maio, o que leva a sugerir que este será um filme só para 2011 e deverá estrear em Sundance, como Precious, mas como se diz que estará mais acelerado do que parecia inicialmente, poderá estrear limitado em Dezembro.


Shutter Island

Nem preciso de dizer muito mais de Shutter Island. Novo filme de Martin Scorcese, nova colaboração com DiCaprio, tem ainda no elenco Mark Ruffalo, Emily Mortimer, Michelle Williams, Patricia Clarkson, Max von Sydow e Jack Earle Haley, é um bom filme e tivesse estreado mais tarde em 2010 ou então em 2009 poderia ter sido um candidato. Como foi... as suas hipóteses estão praticamente arruinadas. Pode ser nomeado para um ou outro premiozito, mas ganhar... está fora do seu alcance.~


Stone

Realizado por John Curran (The Painted Veil), escrito por Angus MacLachlan (Junebug), este thriller sobre um condenado que busca a sua liberdade condicional e que para tal entrega a sua mulher nas mãos do seu advogado, que tem Robert De Niro, Edward Norton, Frances Conroy, Mila Jokovich e Enver Gjokaj nos principais papéis, parece-me muito interessante. Será que vai lutar por prémios? O tempo o dirá.


Sympathy for Delicious

Primeiro filme realizado por Mark Ruffalo, conta a história de um DJ que fica paralisado e que busca na fé a superação do seu estado físico, estreou em Sundance com boas críticas para a interpretação do próprio Mark Ruffalo (que parece vir a ter um excelente ano de 2010) mas também de Orlando Bloom, Laura Linney e Juliette Lewis.


Tamara Drewe

Este filme não vai, muito provavelmente, estrear ainda em 2010, mas coloquei-o aqui na lista porque muitos críticos e sítios da Internet acreditam que o filme vai estar pronto a tempo da corrida deste ano. Se ficar, é um dos potenciais grandes concorrentes. Realização a cargo de Stephen Frears, elenco composto por Gemma Arterton, Dominic Cooper e Roger Allam, entre outros, com banda sonora do grandioso Alexandre Desplat e com guarda-roupa da magnífica Consolata Boyle. Baseado na BD de Posy Simmonds, este filme segue a protagonista, de seu nome Tamara Drewe, que volta à sua aldeia rural depois de muito tempo na grande cidade, incitando diversas paixões entre os locais.


The Beaver

Jodie Foster volta a realizar um filme, com Mel Gibson a protagonizar esta história de um homem que anda no seu dia-a-dia, fruto da sua depressão, com um fantoche na sua mão e fala com ele, como se de uma criatura viva se tratasse. Além de Gibson e de Foster (que também tem um papel no filme), o projecto envolve Anton Yelchin e Jennifer Lawrence.


The Debt

John Madden (Shakespeare in Love) é o realizador deste The Debt, que conta com um elenco interessante (Sam Worthington, Helen Mirren, Jessica Chastain, Tom Wilkinson, entre outros), com um argumento potente (fala de três agentes da Mossad que em 1965, 20 anos após o fim da II Guerra Mundial, descobrem que ainda existe um criminoso da era Nazi à solta e então eles partem em sua perseguição pela Europa) e com algumas possibilidades de se tornar um dos candidatos da corrida este ano.


The Details

Comédia de humor negro realizada por Jacob Aaron Estes (Mean Creek) e com um elenco com grandes nomes (Elizabeth Banks, Tobey Maguire, Ray Liotta, Laura Linney, Dennis Haysbert, Anna Friel e Sam Trammell), não me parece que tenha grande potencial para ser candidato a honras e prémios no final do ano mas acredito que possa ser das grandes surpresas desta época. A história começa numa família que tem problemas com guaxinins no seu jardim e estes problemas despoletam toda uma cascata de problemas e discussões que estavam em stand-by até ao momento do aparecimento dos guaxinins. Tudo isto vai levar a mais consequências hilariantes que nos mostram o lado negro de cada um dos personagens e que nos servem de reflexão para a forma como abordamos muitas vezes as pessoas e os problemas no nosso dia-a-dia.


The Eagle of the Ninth

Este género de filme sugere grande potencial para Óscar, pelo menos no que a prémios técnicos diz respeito: guarda-roupa (Michael O'Connor), banda sonora, fotografia (Anthony Dod Mantle), direcção artística, efeitos visuais, efeitos de som... Contudo, há aqui dois grandes senões: O primeiro é Channing Tatum. Ele é o protagonista desta história de Kevin Macdonald (State of Play, The Last King of Scotland) e provavelmente se tivesse aqui outro actor mais versátil e experiente, eu apostaria em grande neste filme. Como é Tatum... vou manter os meus dedos cruzados. O resto do elenco até é porreiro: Tahar Rahim, Donald Sutherland, Jamie Bell, Mark Strong... Ele é claramente o elo mais fraco. Este filme segue a história de Marcus Aquila, um centurião romano que é encarregado de resolver a história do desaparecimento de toda a Nona Legião Romana na Grã-Bretanha do séc. II d.C. O segundo é o facto de este estilo de histórias de guerra que misturam a História com a ficção leva sempre a que se façam comparações com outros filmes do mesmo tipo. O que pode ser mau para este The Eagle of the Ninth. Esperemos para ver, mas estamos expectantes.


The Grand Master

Depois do fiasco de My Blueberry Nights, o grande realizador Wong War Kai (In the Mood for Love, 2046) está de volta com este The Grand Master e desta feita reúne-se com os seus actores preferidos, Toni Leung e Ziyi Zhang, para contar a história do mestre de artes marciais Ip Man, que ensinou Bruce Lee. Se tivermos uma coisa do género de Crouching Tiger, eu ficar-lhe-ia eternamente agradecido. É que ele tem que compensar pelo facto de ter feito aquela miséria protagonizada pela Norah Jones.


The Kids Are All Right

A grande surpresa de Sundance foi este filme de Lisa Cholodenko, The Kids Are All Right, uma comédia sobre duas adolescentes que decidem procurar o seu pai biológico, uma vez que elas resultaram de inseminação artificial que as suas duas mães, lésbicas, realizaram. Julianne Moore e Annette Bening são as duas mães de família, Mark Ruffalo é o pai. Mia Wasikowska e Josh Hutcherson também entram no filme. Este filme tem ganho críticas muito elogiosas, particularmente à interpretação dos três renomados actores (muitos apostam já na nomeação de pelo menos uma delas para Melhor Actriz e na dele para Melhor Actor Secundário), apesar do seu grande entrave ser o facto de ser uma comédia leve, depender da receita de bilheteira que obtiver e do da sua estreia ser muito cedo (Julho). Vai precisar de uma campanha esforçada da Focus para resultar, mas muitos dizem que estrear no Verão vai ser bom para ele. A ver vamos. O filme, no seu geral, parece-me francamente agradável.


The Killer Inside Me

Já alguma vez imaginaram alguém a elogiar Jessica Alba por uma interpretação dramática (como prostituta, ainda por cima)? Pois preparem-se, pode ser que o façam, à custa deste novo filme de Michael Winterbottom. No entanto, a estrela não é Alba, é Casey Affleck. Com ele e com Alba contracenam Bill Pullman, Simon Baker e Kate Hudson. John Curran e Robert Weinbach adaptam este romance de Jim Thompson que segue a história de um xerife texano e a sua transformação de pacato polícia para um assassino, sociopata, sem escrúpulos.


The Next Three Days

Lembram-se do senhor Paul Haggis? Bem, o seu filme Crash foi o mais polémico vencedor do prémio de Melhor Filme da última década. Pois bem, ele está agora de volta, com Elizabeth Banks e Russell Crowe a protagonizar o seu The Next Three Days. Além deles, Olivia Wilde, Brian Dennehy, Liam Neeson e Jonathan Tucker também participam no filme. O filme fala de um professor cuja mulher é presa e condenada por um assassinato que ela diz não ter cometido. É, na verdade, um remake de um filme francês de 2007 chamado Pour Elle. É um mais que óbvio candidato mas não sei quanto do seu potencial irá realmente transparecer para a tela.




The Runaways

Kristen Stewart e Dakota Fanning são as estrelas maiores deste biopic sobre abanda feminina com maior sucesso de sempre, The Runaways. Estreou em Sundance com boas críticas mas não me parece que vá lutar para prémios. De qualquer forma, parece muito divertido e alegre.


The Tempest

Que dizer deste The Tempest? É de Julie Taymor (Across the Universe, Frida), por isso não espantou ninguém o seu adiamento para 2010, mas com esse adiamento o buzz do filme fugiu. Com Helen Mirren, Djimon Hounsou, Alfred Molina, Chris Cooper, David Strathairn e Ben Whishaw, entre outros, no elenco, é em potência um grande filme. The Tempest é a adaptação da peça de Shakespeare do mesmo nome, só que com inversão do género (por exemplo, na peça existe Prospero, no filme existe Prospera, personagem de Helen Mirren). Com ela trás outros nomeados e vencedores para Óscar (só para dar uns exemplos, a banda sonora é do marido, Elliot Goldenthal, que venceu por Frida e o guarda-roupa é de Sandy Powell, que venceu este ano de novo por The Young Victoria e Françoise Bonnot, que também já venceu o Óscar, é a Editora deste filme). Agora fica a pergunta: que filme vamos ter, um sucesso ou uma desilusão?


The Whistleblower

Rachel Weisz é a protagonista deste filme de Larysa Kondracki e apesar das notícias darem como certa a estreia deste filme só em 2011, a mesma veio dizer em entrevista que o filme se encontrava em finais de pós-produção, à procura de ficar pronto para Cannes ou então para Veneza ou Toronto. Se ficar pronto, poderá ser forte candidato para lutar por alguns prémios. Este pesado drama conta a história real de Kathryn Bolkovac, uma oficial da ONU que arrisca a sua vida para dar a conhecer ao mundo a corrupção e o tráfico de sexo entre oficiais da ONU na Bósnia.


The Wolfman

O primeiro flop e possivelmente um dos filmes mais horríveis deste ano (que ainda está agora a começar), The Wolfman contava com uma história potente, um elenco impressionante (Benicio Del Toro, Anthony Hopkins, Emily Blunt) e uma equipa por detrás da câmera com grande qualidade. Infelizmente, o produto final ficou muito aquém das expectativas e não se percebe muito bem qual a diferença entre ter lançado este filme o ano passado e este ano, de tão mau que ele é. Joe Johnston não soube aproveitar o material que tinha em mãos.


Warrior

Jennifer Morrison, Tom Hardy, Nick Nolte e Joel Edgerton compõem o elenco de Warrior, o novo filme de Gavin O'Connor (Pride and Glory, Tumbleweeds), que conta a história de um pai, um alcóolico, boxista reformado, e dos seus filhos, um que deseja ser treinado por ele para lhe seguir as pisadas e o outro, que ele vai ter de enfrentar em ordem para vencer.


We Need To Talk About Kevin

Tilda Swinton tem neste filme a maior possibilidade de ser nomeada de novo para um Óscar. Ela interpreta a mãe de um adolescente tornado assassino em série que não sabe o que há de fazer para lidar com o assunto. O filme está agendado para estrear em 2011, mas ouve-se dizer que pode estrear ainda este ano (em particular se a corrida para Melhor Actriz estiver a passar mau bocado). John C. Reilly e Ezra Miller também participam no filme.




Winter’s Bone

Estreou em Sundance para júbilo da multidão, que disparou elogios à performance incrível de Jennifer Lawrence, que se diz ser medonha, grandiosa, impressionante. Bem, se tudo correr bem, lá a teremos no Kodak Theatre para o ano. Os mídia já decidiram que ela é a nova Carey Mulligan. Mas será que a sua interpretação tem força para, como Mulligan, carregar o seu filme para uma nomeação para Melhor Filme? A luta vai ser difícil mas para uma rapariga das montanhas de Ozark, tudo é possível. A estreia em Junho coloca ainda mais entraves para que isso suceda.


Your Highness

Estreia em Outubro esta comédia de David Gordon Green e é uma comédia daquelas pouco convencionais, como (500) Days of Summer ou I Heart Huckabees. Your Highness conta com James Franco, Danny McBride, Natalie Portman e Zooey Deschanel no elenco. A história passa-se na Idade Média e relata a viagem de dois cavaleiros que partem a caminho de libertar a princesa e futura noiva da personagem de Franco, que foi aprisionada por um malvado mago. Como se pode ver, imaginação não falta.


You Will Meet A Tall Dark Stranger

Como é óbvio, nesta lista não podia faltar mais um filme de Woody Allen. Este novo filme tem Josh Brolin, Naomi Watts, Antonio Banderas, Anthony Hopkins e Freida Pinto no elenco, volta à Europa (onde Allen até se tem dado bem - Matchpoint, Vicky Cristina Barcelona, o menos apreciado Scoop) e volta aos dramas (depois da má experiência do ano passado, Whatever Works). Segundo Allen, o enredo tem um pouco de tudo, sexo, traição, amor, romance, paixão. Fala da vida de um grupo de pessoas, cada um com a sua personalidade, o seu feitio, as suas paixões, as suas ambições e as suas preocupações. Com Allen, tudo é possível, o filme pode ter 6 nomeações como 0, depende. Sendo realista, acredito que Argumento Original é possível. Realizador, Filme e nomeações para os seus actores já são mais puxadas, para tal é preciso que o filme seja mesmo muito bom.



Seguinte: os meus 25 filmes mais antecipados de 2010!

6 comentários:

Joana Vaz disse...

Gostei bem mais desta segunda parte!!:D

Os Filmes que me despertaram mais interesse foram:
Betty Anne Waters,
Blue Valentine,
Chlöe,
Fair Game,
Fish Tanks,
Last Night,
My Own Love Song,
Never Let Me Go,
Stone,
The Next Three Days,
The Whistleblower,
We Need To Talk About Kevin,
Winter’s Bone.

Eat, Pray, Love, não parece filme para Óscares, mas eu estou desejosa de o ver, ainda mais sabendo que é realizado pelo criador de Glee!;)

Ágora, não percebo como é que só agora chegou aos EUA…loucos!:P
Tão bom...Adorei!

Alice desiludiu-me um pouco, pensei que Burton fosse mais exagerado, excessivo e excêntrico.

Jorge Rodrigues disse...

Tens aí muito provavelmente os que mais me interessam daquele monte todo.

My Own Love Song, Never Let Me Go e Betty Anne Waters têm todo o ar de serem aqueles filmes com interpretações tipicamente à caça de nomeações para Óscar. Mas a premissa de cada um parece porreira.

Fish Tank já podes ver (:P)

Estou a rezar para Kevin e Whistleblower serem ainda este ano ;)

Joana Vaz disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Joana Vaz disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
mean_machine disse...

robin hood e salt, tenho de ver
gostei do shutter island, mas o final deixa mt em aberto. ou fui eu k n entendi lol
the wolfman, ate gostei do filme. deve haver sequela, aposto

DiogoF. disse...

Bom post. Havia aí algumas coisas de que não tinha ouvido falar. Podia comentar um a um, mas vou fazê-lo na minha versão de "pré-previsão" dos Oscars, como sugeriste que ias fazer, também.

O que tenciono fazer é um apanhado deste género mas sobre os filmes portugueses (exactamente com base no documento de que falaste do MC).

Obrigado pela referência ao filme da Mulligan.