quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Óscares 2008 - Arrancamos em definitivo!



Estamos na hora. Chegou o momento. A temporada dos Óscares começou ontem. A caça à estatueta mais desejada no mundo do cinema está a principiar. São muitos os candidatos, mas só UM chegará ao topo. Para já vamos neste blogue fazer semanalmente previsões sobre os prémios mais valiosos da cerimónia: Melhor Filme, Melhor Actor, Melhor Actriz, Melhor Realizador, Melhor Actor Secundário e Melhor Actriz Secundária.



Bem... E começamos pelos filmes em exibição com valor para Óscar. Diariamente farei questão de vos mostrar um a um, com direito a um pequeno resumo, a minha opinião do filme e as suas hipóteses para conquistar a estatueta. E vamos desde logo ao filme de hoje... Já que a Sara o pediu...


Wall-E (estreou em Junho/08 nos E.U.A., Julho/08 em Portugal)



É um filme que dispensa, desde logo, apresentações. O pequenino e caricato robot colector de lixo cativou a atenção dos espectadores que se dirigiram às salas de cinema no Verão e ganhou, de facto, espaço no seu coração. Wall-E é de resto a nova pérola da Pixar que decidiu, uma vez mais, subir a fasquia. E conseguiu superar todas as expectativas. O filme é genuinamente belo: fala da história de Wall-E, um robot cuja função na Terra é recolher o lixo deixado pelos humanos que partiram há muito tempo do seu planeta, por este se encontrar impossível de habitar. O problema é que Wall-E não é um robot qualquer: a sua memória deve ter qualquer tipo de defeito, porque este robot tem personalidade, tem carácter, mostra-se curioso, receoso, amigável, amável, generoso e outras qualidades que o aproximam muito mais de um humano do que o se poderia, à partida, imaginar. Ele tinha, de facto, um problema: sentia-se só. A cena em que se dá conta da solidão de Wall-E é tocante: ele vê um vídeo de «E tudo o vento levou» com Clark Gable, uma cena célebre, em que ele agarra a sua co-actriz e lhe pede uma última dança; Wall-E aperta as suas mãos como se esperasse por qualquer tipo de contacto com outra pessoa - ou mesmo ser. E eis que vê o seu desejo tornar-se real quando EVE, uma robot ultra-sofisticada, chega à Terra para inspeccionar a existência de vida. Wall-E e Eve passam algum tempo juntos até que Wall-E lhe mostra uma planta que recolheu da terra. Eve acciona o mecanismo que a faz retornar à nave onde se encontram os restantes humanos e abandona Wall-E. Este parte então na viagem da sua vida: vai em busca da única «amiga» que teve. A história é fascinante, a dimensão humana que estes dois pequenos robots mostram é impressionante. Nota final: 16.


Merece ser visto por toda a família. Andrew Stanton (o criador e chefe executivo da Pixar) conseguiu - uma vez mais - o seu objectivo. E ganha um clássico da animação, um clássico do cinema em geral, porque este WALL-E é, de facto, uma pérola, uma gema preciosa de valor incalculável. Provável nomeado - e vencedor - do Óscar de Melhor Filme Animado, Wall-E conseguiu este Verão conquistar a admiração à escala mundial, lançando muitos rumores e isco de Melhor Filme. Será que esta pérola da animação consegue de facto o prémio máximo, uma nomeação para Melhor Filme? Na minha opinião, acho que não. Porque é um filme de género (e ainda para mais um género que é premiado pela Academia separadamente - maldita categoria de Melhor Filme Animado!), porque é um filme direccionado para o público infantil e porque sobretudo NÃO TEM o isco e o orçamento e uma grande indústria por trás (como a Warner Bros. ou a Miramax... a Disney tem reconhecimento mundial mas não é propriamente por fazer filmes com inegável Oscar-quality)... Assim, ficamo-nos só pela admiração. A verdade é que passado cerca de três semanas chegou - talvez infelizmente, talvez não - o FILME DO ANO: E com o filme do ano todo o «rumor, boato, isco» fugiu. Batman - THE DARK KNIGHT assumiu-se logo de seguida como o blockbuster do Verão, roubou a atenção do público, dos críticos e dos amantes de cinema.



No entanto, talvez haja esperança para este filme. A maioria dos verdadeiros concorrentes ao Óscar falharam no seu pico. Changeling, Australia, Defiance, entre outros, falharam em conquistar o público. E mesmo a maioria dos filmes para Óscar agora em estreia nos Estados Unidos da América - «The Curious Case of Benjamin Button», «Milk», «Revolutionary Road», «Doubt», «The Reader» - todos estes perderam uma boa parte do seu potencial para Óscar. E o buzz (leia-se isco, leia-se apelo) ficou-se pelos filmes do Verão, muito curiosamente.

A maioria dos cinéfilos já chegou à conclusão que o Óscar este ano JÁ VAI premiar um filme de género: The Dark Knight pode ser um filme baseado num superherói de BD, mas conseguiu o estatuto de filme do ano, #2 maior receita de bilheteira de sempre (o #1 foi Titanic e esse sugou 11 das 14 estatuetas para as quais estava nomeado) e aclamação mundial. Além disso as audiências da cerimónia fora baixando desde que filmes independentes (Crash em 2005, No Country for Old Men em 2007, The Departed em 2006, Million Dollar Baby em 2004) conquistaram o prémio máximo - em 2003 fora «O Senhor dos Anéis: o Regresso do Rei» o vencedor e os Óscares, devido à massa fanática pela trilogia, conseguiu das melhores audiências televisivas de sempre. Assim, é mais ou menos acertado dizer que THE DARK KNIGHT será um dos nomeados. E é um filme de Verão. E teve imenso buzz - a morte de Heath Ledger (o Joker) ajudou - mas o filme é excelente. E tem a seu favor a queda de todos os outros. E por isto estou convencido - e a maioria também está - que será nomeado para Melhor Filme. Podemos estar enganados (a Academia engana algumas vezes) mas...


E assim Wall-E perde manobra. A jóia de filme que é não merecia este desprezo - mas porque não dois filmes com género específico (BD e animação) ganharem o direito de estarem no 'top 5'? Pode ser que a re-visualização do filme (feita sempre por altura do Ano Novo pelos votantes da Academia) amoleça alguns corações... É difícil, mas não é impossível...

Agora pergunto-vos: o que acharam deste filme?


Fica o trailer do filme, para quem ainda não viu...



Beijinhos às famílias! Saudinha xD

Jorge Rodrigues

2 comentários:

Sara Almeida Silva disse...

Carissimo..
Não podendo eu comentar do ponto de vista específico e científico do mundo da 7 arte, resta-me apenas manifestar-me quanto ao conteúdo do dito filme..

Ora.. acho que é mais seguro ver o filme e concluir o estado deplorável a que a humanidade chega.. Depois de vários anos a desprezar o planeta azul.. depois de o conseguirem saturar.. cheio de lixo e coisas semelhantes..lá se vão eles embora, deixando cá um belo dum robot..

Ora..
- Ambiente? O que é que estamos dispostos a fazer? De que vamos abdicar?
- O domínio da máquina sobre o homem.
- A tentativa de destruição da planta - vida - que chega à nave - regressar à terra acabaria com a comodidade e sendatarismo a que os humanos já se habituaram..

E podia continuar aqui a lembrar-me deste tipo de observações..
É possível uma relação entre o homem - ambiente - máquina?
Claro que depois há a versão do tudo acaba bem e ainda há la a relação bela e amarela do Wall-E e da Eve..

Moral da história - para mim, que não sou muito amiga de cinema, sim, acho bem que haja filmes que nos levem a levantar estas questões.. e, pelo menos assim, algumas criancinhas tomam contacto com esta realidade que, para mim, se torna deveras assustadora :)

pom disse...

da minha parte nao ligo aos oscares e inda nao vi este filme