domingo, 14 de dezembro de 2008

Sessão III - Arqueologia, Museus e Espólios Arqueológicos, versão I

Pois bem, chegamos à última das 3 sessões que visaram uma reflexão da arqueologia em Oliveira de Azeméis..
À semelhança do que fiz com as outras sessões, cá ficam algumas ideias referidas.. Desta vez, com menos comentários meus, já que é uma realidade com a qual muito poucas vezes me cruzei :)

Tema I - Arqueologia e Museus: uma relação inevitável?

Luís Raposo

Um abordagem provocatória - a pré-história dos museus
- o coleccionismo com o renascimento; o espírito de saque; procura de objectos.
- Arqueologia vs Antiquário. Arqueólogo vs Coleccionador.

O Museu como um lugar de descontextualização? Ora, a arqueologia é uma ciência de contexto, o museu é um local onde as peças estão descontextualizadas.
Assim, parece haver uma série de incompatibilidades entre museus e sítios arqueológicos.

Mas.. é um orgulho ter na sua terra um museu..

Há mais gente a visitar os sítios do que os museus que albergam as suas colecções.

Museus têm que pensar num "público" nacional - não fazer museus para "inglês ver". Devem exercer um papel educativo.

Vantagens dos sítios arqueológicos - contextualização; desenvolvimento local. Desvantagens - ilusão das reconstituições ...

Vantagens dos museus - conservação; oferta de diversos serviços. Desvantagens - excesso de peças acumuladas sem qualquer estudo..

"Não há um público de museu, mas sim públicos particulares".

Um dos factores importantes para o desenvolvimento dos museus é a sua organização em rede - Rede Portuguesa de Museus.

Falta uma política de museus - "temos bons técnicos, mas muito maus políticos".

"A arqueologia está cheia de bebés nos braços e não sabe bem o que lhes fazer" - problema de acumular espólio.

O regulamento de trabalhos arqueológicos diz o que se deve (tecnicamente) fazer com o espólio - mas isso não acontece - prevê a sua deposição em museus. - que surgem como salvadores da pátria :p mas não têm bem como o fazer..

*

2 comentários:

pom disse...

pessimos politicos!!!!!!!!!!

JorgeRodrigues disse...

Embora se possa admitir que a cultura seja imprescindível para o desenvolvimento sócio-económico de uma região, não me venhas dizer que as condições sanitárias e de higiene não o são.

Eu só queria ver onde é que nós hoje estávamos sem os avanços das CIÊNCIAS EXACTAS como a Medicina por exemplo. Diz-me. Hoje em dia eu e tu Sara já estávamos muito perto da nossa esperança média de vida... :S O que não é dizer pouco.

Eu não disse que as ciências como a Arqueologia e a História não servem para nada, aliás a documentação histórico-arqueológica é necessária para que se perceba de que forma se deu a evolução da população.

E eu não insultei o trabalho do Sr. Ministro da Cultura que estou seguro que terá uma agenda enormíssima. Agora... Não me venhas dizer que tem um papel PREPONDERANTE na sociedade (de tanto que se ouve falar dele... e não digas que é por estar a fazer um trabalho decente... é provavelmente porque 80% dos portugueses não querer saber nada da Cultura... e infelizmente essa tendência é mundial). Agora se fores a falar de Saúde ou de Educação com qualquer português, cai o carmo e a trindade. Porquê? Porque é importante. Porque toda a gente sabe que «desde que a gente tenha saúde é o mais importante».

E lá está. Saúde e Medicina como ciências salvadoras do mundo, fonte da evolução que ocorreu ao longo dos tempos.