quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Sessão II - Ensino e Carreiras, versão III

Tema II – Quem pode ser arqueólogo. Será o título académico suficiente?

Maria José Almeida

Actividade arqueológica regulada na lei de bases da cultura – quem podia ser arqueólogo na função pública – mas as carreiras da função pública foram extintas.. Portanto – 1ª lacuna da lei.. Ora portanto, muito interessante..

Outra lacuna da lei – quem pode requerer trabalhos arqueológicos? Qual é a habilitação necessária? Para todos os efeitos – Licenciatura/1º Ciclo.
Leis que remetem para leis que já não estão em vigor.. – mas deve haver quem seja feliz assim.. ;)

Portanto, um arqueólogo é “um indivíduo que se dedica à arqueologia” – definição do dicionário – ora bem.. parece que dedicar-se à arqueologia, é um passatempo.. É quase como gerir uma colecção de pacotes de açúcar..
“Tens este?” “Tenho” – então não é preciso guardar.
“Este tá um bocado estragado. Distrai-me e virei-lhe café” – “Ah, não faz mal”
“Olha, vai haver um encontro de coleccionadores não sei onde, queres ir?”
Um exemplo muito estranho, mas o que me dizem em relação à glicofilia, uma coisa encarada como passatempo, divertimento.. Porque uma vez saiu uma colecção de pacotes com comboios e comecei a juntar.. É quase o mesmo que dizer – Vi um filme muito engraçado, Indiana Jones.. É aquilo que quero ser quando for grande :)
Bem.. tanta coisa para dizer que, à semelhança do que se disse na conferência, o conceito de arqueólogo parece remeter para um passatempo..
Infelizmente, é assim que é encarado por muita gente.. Sem se ter consciência do peso moral que esta actividade tem.. Porque uma coisa é enganar-me e perder um pacote de açúcar, ou virar-lhe café em cima.. Outra, é destruir património que não é meu.. e que depois de destruído, não há volta a dar – será assim tão difícil perceber a responsabilidade ética e social dum arqueólogo?

Titulo académico suficiente? Não.
Bem... em Portugal, não há uma preocupação com a qualidade do trabalho; as empresas não têm vantagens por ter pessoal mais competente..
Mais um bocadinho só falta colocar anúncios no jornal semelhantes aqueles “dá-se explicações” “toma-se conta de crianças” ou, porque não, “observam-se máquinas a trabalhar”, “fazem-se covinhas no chão”, “limpa-se mato”..

Sendo a arqueologia uma ciência social, a sua principal função é ser socialmente útil..

“Ser arqueólogo é um processo contínuo, nunca se esgota” MJA
“Até aqui estudei – agora vou trabalhar e nunca mais pego em livros na vida” – esqueçam lá isso :)

O que eu acho que se esgotou foi a legislação – e não, os srºs das leis não estão muito preocupados com isso não..

José Morais Arnaud

Há 40 anos, escavava-se em valas, não se dava importância à estratigrafia.. era mais do tipo “anda cá estruturinha, anda cá” ou então “quero uma estrutura, quero quero quero.” – e de preferência com um bilhete a dizer:

“Srº do futuro, não sei como se vai chamar esta actividade quando se resolverem a estudar o que eu andei a construir nos inícios do povoamento desta terra. Provavelmente, nalguns países, alguns de vocês vão-se chamar bandidos, outros malucos, outros ainda corajosos, futuristas, materialistas ou, porque não, simplesmente desactualizados.
Bem, para que não restem duvidas, eu construi este sitio neste dia, a esta hora, a uma altitude de x com a ajuda de y pessoas que desempenharam um determinado papel nesta comunidade. Ora pra nos, uma comunidade é isto e aquilo. Acresce-se ainda que, de vez em quando, o cozinheiro junta umas ervas que dão um sabor magnifico à comida, que nós começamos a cultivar ali no fundo do monte, junto ao rio, depois de terem cá vindo uns senhores com um aspecto muito estranho trazer-nos isso juntamente com uns seres de quatro patas que se mexem. Voltando às ervas, nessas noites, normalmente, reunimo-nos todos neste sítio, e fazemos aqui práticas rituais. E vocês devem entender por ritual isto, isto e isto. Às vezes, há cá uns acidentes e nós deixamos aqui vestígios disso – se os encontrarem, por favor, tentem procurar o meu copo, era o meu preferido, mas partiu-se durante esta noite. Assim, porque este sitio me marcou negativamente com a perda do meu copo, o meu património, decidimos abandoná-lo. De qualquer forma, vinham por ai uns bárbaros saltar-nos em cima.. só nos adiantamos um bocadinho.
Espero que este meu relato vos venha a ajudar quando tentarem escrever a vossa história sobre o que aqui se passou.”

Isto tudo só pra dizer que muito boa gente continua em busca das coisas que melhor lhe convêm pra justificar a sua teoria.. e bem, as purgas sempre foram uma boa maneira de eliminar o que não interessa ;) – note-se que eu e a hipérbole e a ironia damo-nos muito bem de vez em quando : ).

Continuando com a sessão “O futuro não é muito risonho para os mais jovens” – podemos tirar um curso, e outro, e outro.. e fazer arqueologia nas férias, definitivamente Arqueologia + Portugal = loja de shopping (note-se que sendo de “Letras” não sei fazer continhas .. acrescente-se que há sempre a excepção que confirma a regra)

Bolonha não passou de 4 para 3, mas de 4 para 5. O 2º ciclo devia incluir uma componente mais prática, mais vocacionada para o mundo profissional. – precisaríamos dos ditos mestrados integrados.. mas isso..

Entretanto, temos os fornos todos a produzir objectos com defeito – vamos atingir a saturação – aposta devia passar pela requalificação..

A minha dúvida.. isso faz-se como? Fechando cursos? Diminuindo vagas? – parece-me que esta ultima hipótese resolveria muitos problemas (já me manifestei algures num post sobre ensino em Portugal que anda praqui) mas ia levantar outro – era mau prá economia.. lá se ia o € das propinas de uns quantos..

Miguel Almeida, Dryas Arqueologia

Explicados os fundamentos da Dryas – centro interpretativo que valoriza relação com a sociedade, vertente empresa – porque é preciso €.

Falhas na formação – Sim – Ex: Ciências da Terra

“Mercado desqualificado, desregulado e esquizóide” – o estado não impõe coisa nenhuma (a dita fiscalização tb não há) e a qualidade tem custos.
Portanto empresas qualificadas têm que formar o seu pessoal…
É preciso mudar o mundo da arqueologia – Reestruturar uma organização central recentemente reestruturada.

A formação actual é deficiente. Pois, e não se aprende a descrever uma estratigrafia não..

Debate:
“Se os governadores dos bancos são bandidos, porque que os da arqueologia não podem ser?” L.O.
Bolonha – coisa idílica – mobilidade entre universidades? Cadeiras opcionais? (ah, opcionais obrigatórias :p)
Bem, o último tema brevemente ;)
*

3 comentários:

Medicina disse...

Tu muito gostas de implicar com as pessoas maravilhosas que se DIGNAM de vir a Oliveirinha dizer coisas sobre a TUA carreira! :)

Nem vou comentar... filha tens de acalmar os nervos!

Beijinhos às famílias!

Sara Almeida Silva disse...

Jorginho, meu caro amigo..
Sim, tenho que acalmar os nervos, mas isso é uma coisa pouco provável de vir a suceder..

Entretanto, mas que raio, eu não implico com as pessoas, e acho muito bem e concordo com muito do que elas dizem.. mas há outras realidades rapaz.. ahah dcp lá que isto de se preocupar com o futuro e chato :p

Nota técnica - a minha carreira? não me cheira ;)
Beijinho à familia :p

pom disse...

we care a lot!
sem mais a dizer, é a musica que tou a ouvir. ahah.
FAITH NO MOREEEEEEEEE!